Serviço de Acolhimento Familiar retorna com curso presencial para novas Famílias Acolhedoras




Ente os dias 25 e 27 de abril e 02 e 03 de maio, a Organização da Sociedade Civil (OSC) Missão Sal da Terra, por meio de seu serviço de Família Acolhedora, promoverá o curso de Formação para Famílias Acolhedoras a quem se interessar em acolher uma criança ou adolescente que está afastado de sua família por determinação da justiça ou em trâmites para adoção por uma nova família.


O serviço Família Acolhedora surgiu de uma parceria entre a Missão Sal da Terra com a Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho e Habitação e Poder Judiciário de Uberlândia. Com o objetivo de acolher e oferecer proteção integral as crianças e adolescentes, quando necessitam serem afastados temporariamente de suas famílias de origem, ou quando já não contam com a proteção e os cuidados, o serviço garante e defende o direito à convivência familiar e comunitária, em cumprimento ao artigo 4º do Estatuto da Criança - ECA.


Segundo a coordenadora do serviço, Karina de Melo Garcia, as famílias que participam do serviço estão ajudando a promover uma sociedade mais justa, propondo-se a acolher em sua casa crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva, em função de abandono, ou cujas famílias ou responsáveis encontram-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção, até que seja viabilizado o retorno ao convívio com a família de origem ou, na sua impossibilidade, o encaminhamento para família substituta.


“Quando uma família acolhe uma criança ou adolescente, além do papel de cuidado e proteção das famílias acolhedoras na vida das crianças separadas de suas famílias de origem, sua atuação será, também, um posicionamento ético e político, ao praticar um importante princípio do Estatuto da criança e do adolescente e da Constituição, que é o dever da sociedade de assegurar à criança e ao adolescente seus direitos básicos e protegê-los”.


Mas fazer o serviço “acontecer”, de fato, não é tarefa simples, é preciso muito tempo e dedicação de todas as partes envolvidas. Segundo Karina, essa modalidade de acolhimento não é uma substituição de família, mas uma parceria e colaboração.


“É preciso um pessoal preparado para entender tudo pelo que aquelas crianças e adolescentes estão passando no momento. É entender que são famílias cuidando de famílias em uma nova lógica de afeto e apoio fundamentais para a construção de uma sociedade mais acolhedora e participativa”, finaliza a coordenadora.


Desde o início da pandemia, causada pelo Coronavírus, esta é a primeira edição do curso que acontecerá de forma presencial. Com a retomada do curso em formato presencial, a coordenadora do serviço, a ansiedade está grande para o contato com as novas famílias. “Nosso último encontro presencial aconteceu em março de 2020. Então, depois de dois anos de pandemia, estamos com grandes expectativas, já que não existe nada melhor que o olho no olho, as pessoas presentes, podendo falar, podendo se abrir, fazer perguntas. Nesse curso, contaremos com a presença do Juiz José Roberto Poiani, tornando a experiência do presencial muito mais enriquecedora”, conta.



Serviço:

Curso para Novas Famílias Acolhedoras

Data: 25, 26 e 27 de abril / 02 e 03 de maio

Horário: 19h às 22h

Local: Rua Euclides da Cunha, 920 – Custódio Pereira

Inscrição:(34) 3226-9317



87 visualizações0 comentário